Gabinete Português de Leitura Exibe Documentário Inédito em Homenagem Ao Escritor José Saramago

Publicado em 15 June 2015

Na próxima quinta-feira, 18 de junho, completam-se cinco anos da morte do escritor português José Saramago. Para lembrar a data e realizar uma homenagem ao que foi um dos grandes autores de sua época, será realizada a exibição simultânea do documentário “Um humanista por acaso escritor”, no Brasil e na Europa. No Recife, a exibição acontece no Gabinete Português de Leitura (GPL), Rua do Imperador Pedro Segundo, 290, Santo Antônio, em duas sessões: 14h30 e 17h30, com entrada gratuita.

Em Lisboa, Portugal, berço da maturidade literária de Saramago, o média-metragem integra a programação oficial da Fundação José Saramago. A cidade natal do diretor e realizador Leandro Lopes, Serrinha, no sertão da Bahia, também exibirá o filme, assim como o Galpão Cine Horto, em Belo Horizonte, onde Leandro mora.

“Uma das cenas mais importantes do documentário foi gravada no Recife, no Gabinete Português de Leitura”, comenta o diretor Leandro Lopes. “É a cena final do documentário e que pra mim representa que as pessoas podem pensar olhando pelas lentes desassossegadas do José Saramago”, completa. No ano de 2013, o diretor esteve em visita ao Recife, durante a Fliporto, quando foram gravadas entrevistas e cenas de apoio em Olinda e no GPL.

O FILME - Filme-homenagem que busca olhar o mundo pelas lentes desassossegadas de José Saramago, o documentário revive o redemoinho de sensações, palavras e lembranças deixadas em quem o sentiu por perto. Um humanista, que usou os microfones de um escritor, para gritar sobre o nosso mundo.

O documentário percorre vestígios do autor, esposo, avô e, acima de tudo, humanista. Entre os entrevistados estão os escritores ganhadores do Prêmio José Saramago: Valter Hugo Mãe, Andréa Del Fuego e Gonçalo M. Tavares; a presidenta da Fundação José Saramago e viúva Pilar Del Rio; a curadora da Fundação José Saramago e neta Ana Matos Saramago; o diretor do filme “José e Pilar”, Miguel Gonçalves Mendes, e o editor português Zeferino Coelho. Os depoimentos, memórias e legados ajudam a reconstituir a áurea do escritor que, mais do que com a literatura ou com a finitude da vida, se preocupava com a humanidade e com o que é possível fazer por ela.

Ficha técnica:
“Um humanista por acaso escritor”
Duração: 51 min.
Direção e roteiro: Leandro Lopes
Produção executiva: Joyce Athiê
Imagens: Leandro Lopes e Breno Conde
Montagem e finalização: Ian Lara
Promoção: Camila Bahia Braga e Coletivo Adiante
Com Pilar Del Rio, Valter Hugo Mãe, Andréa Del Fuego, Gonçalo M. Tavares e Miguel Gonçalves Mendes
Gênero: Documentário
Nacionalidade: BRA

José Saramago
José de Sousa Saramago nasceu numa família de camponeses da Aldeia de Azinhaga, ao sul de Portugal, em 1922. Seus pais eram analfabetos. Sua origem influenciou o modo de escrever, caracterizado pela liberdade no uso da pontuação. Com um estilo próprio, Saramago conquistou em 1995 o Prêmio Camões, a mais importante distinção dada a um escritor em língua portuguesa e, em 1998, o Prêmio Nobel de Literatura. Considerado hoje o seu primeiro grande romance, Levantado do Chão também merece destaque por ter dado notoriedade a Saramago, que por ele recebeu o Prêmio Cidade de Lisboa, em 1980, e o Prêmio Internacional Ennio Flaiano em 1982.

Sua atividade como escritor, no entanto, havia começado muito antes, em 1947, com o livro Terra do Pecado. Após um hiato de 19 anos, lança, em 1966, Os Poemas Possíveis, seu primeiro livro de poesia. Três anos depois, se tornaria membro do Partido Comunista Português. Atuando como crítico literário e jornalista, em 1975, chegaria à direção-adjunta do Diário de Notícias. Mas, já no ano seguinte, fugindo à opressão do Salazarismo, regime totalitário que dominava Portugal, passaria a viver de literatura. Num primeiro momento, como tradutor. Em seguida, como autor.

Depois de Levantado do Chão, chamaria a atenção com os romances O Ano da Morte de Ricardo Reis(1984), A Jangada de Pedra (1986) e O Evangelho Segundo Jesus Cristo (1991). Foi por este último que Saramago deixou Portugal, no início de 1992. A inscrição de O Evangelho Segundo Jesus Cristo para o Prêmio Literário Europeu, em 1992, foi vetada pela Secretaria de Cultura portuguesa. As vendas dispararam, mas, aborrecido, o escritor mudou-se para Lanzarote, nas Ilhas Canárias.

O Ensaio Sobre a Cegueira (1995) é outro destaque da obra de Saramago. O livro foi adaptado para o cinema em 2008 pelo brasileiro Fernando Meirelles, segundo quem Saramago não gostava de falar de literatura. Para ele, haveria assuntos mais importantes a discutir. Foi casado com a jornalista espanhola Pilar del Rio, Saramago teve uma filha e dois netos.
(fonte: http://veja.abril.com.br/noticia/entretenimento/saramago-premio-nobel-literatura-morre-aos-87-anos/)

Serviço:
O quê? Exibição inédita do documentário “Um humanista por acaso escritor”, filme-homenagem a José Saramago
Onde? Gabinete Português de Leitura - R. Imperador Pedro Segundo, 290 - Santo Antônio
Quando? Quinta-feira, 18 de junho, em duas sessões 14h30 e 17h30
Entrada gratuita


Multimídia

Coral amigos do São Vicente